28 de dez de 2014

O cumprimento da lei


DISCIPULADO
Livro: O sermão do monte
7ª Aula - Mateus 5:17-20

Inúmeras acusações e críticas recaíram sobre Jesus e muitos esperavam que Ele fosse abolir a religião antiga, trazendo uma nova, mostrando um caminho mais fácil para o céu. Mas Ele refuta essas esperanças trazendo conceitos muito mais profundos sobre cada lei, isso, sem falar, que Cristo guardou pessoalmente a Lei de Moisés:


  • Foi circuncidado (Lc. 2:21)
  • Ofereceu sacrifícios aos sacerdotes judeus (Mt 8.4)
  • Participou das festas judias (Jo 7.10) 
  • Comeu o cordeiro pascal (Mt 26.19)
  • É o próprio Cordeiro de Deus em sacrifício pelo pecado (Mc. 15:25; Lc. 24:7; 1 Pe. 1:19; Jo. 1:29; Ap. 5:6)


"não vim abolir, mas cumprir"
Cristo não veio a esta terra com a finalidade de atuar como um adversário da lei, impedindo sua realização. Ele honrou, amou, obedeceu e cumpriu a lei, até mesmo em tudo o que estava escrito a respeito de si (Lc. 24:44). Mas, ao cumpri-la, nos resgatou da maldição da lei, para que não fôssemos julgados pelas obras, mas salvos pela fé (Gl. 3:10, 11 e 13).


  • Barnabé e Paulo se opuseram aos que sugeriam guardar a lei cerimonial - At. 15:5-11
  • Não há obrigatoriedade sobre o sábado - Mt. 12:1-8; Mc. 27 e 28; Lc. 13:10; At. 20:7; 1 Co.16:2; Cl. 2:16 e 17 
  • Pedro disse que não fomos resgatados por tradições - 1 Pe 1:18-19
  • Paulo reforça nossa liberdade em Cristo - Gl. 5:1-6
  • O que estava "gravado em pedras" foi, "em Cristo, removido" - 2 CO. 3:7, 13-14


Quem desejar manter a lei, busque cumpri-la por completo.


  • Não comer determinados alimentos - Lv. 11:7; Dt. 14:21
  • Fazer sacrifícios de animais - Ex. 29:10-12
  • Não usar roupas com dois tecidos - Lv. 19:19


A lei moral permanece: Jesus reforçou os Dez Mandamentos, de maneira que a lei moral permanece de pé sobre uma base totalmente diferente da lei cerimonial, que havia sido estabelecida apenas como restrição temporária sobre um povo desobediente e de dura cerviz. Por outro lado, a lei moral existia desde o princípio do mundo, subsistindo em todas as eras, não dependendo de tempo ou lugar, mas baseando-se na natureza de Deus e na natureza do homem, e no relacionamento imutável entre eles.


  • Devemos abandonar as obras da carne - Gl.5:18-25
  • A punição é diferente: não há pena capita, mas excomunhão da igreja - 1 Co. 5:1-9-13
  • Entretanto, a excomunhão com esperança de retorno mediante arrependimento - 2 Co. 2:6-9


Não há contradição entre a lei e o evangelho: Nenhum se sobrepõe ao outro, eles concordam entre si. As mesmas palavras são partes dos dois. Algumas partes éticas da Lei do AT são reafirmadas no NT como sendo aplicáveis aos cristãos.


  • Amar ao Senhor – Dt. 6:5 e Mt. 22:37
  • Amar ao próximo - Lv. 19:18 e Mc 12:33b
  • Entrega do dízimo - Ml. 3:8-10 e 1 Co. 16:1-10, At. 2:45; 5:1-10
  • Deus estabeleceu uma aliança conosco - Jr. 31:33 e Hb. 8:10


“menor do Reino dos céus”
Todo aquele que transgride os mandamentos de Deus acaba ensinando outros a fazer o mesmo. Muitas vezes o exemplo fala mais alto do que o preceito. Por isso, Jesus fala que quem transgredir a Palavra de Deus, não terá parte na herança. Existem vários tipos de falsos mestres:


  • Os que vivem em pecado voluntário e habitual, desconsiderando o Evangelho
  • Os de boa índole, mas que não se incomodam com o pecado
  • Os que falam mal da lei dizendo que não temos que fazer mais nada. Somente crer.


“não for superior à dos fariseus e mestres da lei, de modo algum entrarão no Reino”


  • Os escribas eram alguns dos opositores mais constantes e veementes aos ensinos de Jesus. Eram homens instruídos nas leis de Deus e pregadores titulares entre os judeus. Na palavra original, poderíamos mencioná-los como “os divinos”. Os fariseus formavam um grupo antigo, cujo nome significava “dividir” ou “separar”. Exibiam comportamento mais religioso e eram zelosos da lei nos detalhes. Em geral eram considerados os mais santos. Paulo era assim (At. 26:5).
  • A justiça deles era baseada em três pontos: Era diferente dos outros homens (não era injusto, adúltero ou chantagista); Jejuava duas vezes por semana; Entrega o dízimo de tudo o que possuía. Veja um exemplo de suas orações em Lc. 18:10-14. É claro que a maioria deles fazia isso de maneira hipócrita, mas não podemos generalizar. Tanto que não tinha consciência de não ser sincero, já que falava com Deus exatamente aquilo que pensava. Eles acreditavam que estavam prestando um serviço a Deus. 
  • Podemos, pelo menos, nos comparar a eles dizendo que não fazemos o mal? Que nosso coração não tem nada que nos condene? Que não somos injustos? Somos zelosos na igreja e nas orações? A justiça deles está muito acima da maioria dos cristãos. 
  • Precisamos conferir se a nossa justiça não fica aquém da justiça dos fariseus e escribas. E lembrar, principalmente, que o cristão não se contenta com obras exteriores de bondade, mas buscam viver uma vida com o Espírito Santo. Veja novamente as bem-aventuranças para disposições interiores. 


Faça uma avaliação


  • Fuja do pecado – 1 Jo. 3:8
  • Não permita que a sua justiça fique aquém dos escribas e fariseus
  • Seja zeloso com as obras
  • Agarre-se a todos os mandamentos
  • Exceda em pureza e espiritualidade
  • Seja sério e tenha a convicção de que Cristo é que nos purifica
  • Seja humilde e reconheça que sem o amor de Deus, nada podemos fazer.


Nenhum comentário:

Postar um comentário