7 de ago de 2013

Jesus, o Verbo de Deus

ESTUDOS TEOLÓGICOS
CRISTOLOGIA

O início do Evangelho de João revela várias verdades a respeito da natureza e deidade do Senhor Jesus. Nele encontramos oito maravilhosos títulos divinos de Cristo: Verbo (v.1), Vida (v.4), Luz (v.7), Filho Unigênito de Deus (v. 18, 49), Cordeiro de Deus (v. 29), Messias (v. 41), Rei de Israel (v. 49) e Filho do Homem (v. 51).



A deidade, natureza, identidade, encarnação e missão do Senhor Jesus foram manifestos em apenas um capítulo de maneira surpreendente. O termo “Verbo” procede do original “Logos”, que significa “Palavra”. O mesmo vocábulo aparece em 1 Jo 1:1, descrevendo o “Verbo da vida”. Na bíblia, o termo “Palavra”, quando vinculado a Deus, revela o seu infinito poder criador, protetor e sustentador de todas as coisas criadas visíveis e invisíveis.

"Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo espírito da sua boca [...] Porque falou, e foi feito; mandou, e logo apareceu". Salmos 33:6,9. 

"Enviou a sua palavra, e os sarou; e os livrou da sua destruição". Salmos 107:20. 

"O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas". Hebreus 1:3. 

"Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente". Hebreus 11:3. 

Quando o evangelho foi anunciado pela igreja cristã no século I, os vocábulos “A Palavra” e “O Verbo” foram satisfatoriamente compreendidos pelos judeus e gregos, pois essas expressões lhes eram conhecidas. A Bíblia assevera que no princípio criou Deus os céus e a terra (Gn. 1:1), porém em Jo 1:1, as escrituras afirmam que Jesus (O Verbo) já existia antes de tudo ser criado, inclusive antes de o tempo ter início.

"E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele". Colossenses 1:17. 

O Filho de Deus, além de existir por si mesmo (Jo 5:26) estava com o Pai antes da criação do mundo (Jo 17:5,24). Ele existe por si mesmo e sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder (Hb 1:3).

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens". João 1:1-4. 

O conceito expresso nesse versículo é progressivo. Uma declaração esclarece a outra até culminar com uma verdade enfática “e o Verbo era Deus”. Se o prólogo de João fosse o único lugar nas escrituras em que a divindade do Verbo é afirmada, já teríamos subsídios suficientes para crer e confessar a doutrina. Entretanto, esse ensino é asseverado em todo o contexto bíblico.

"Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus". João 5:18. 

"Eu e o Pai somos um". João 10:30. 

"Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade". Colossenses 2:9. 

Após apresentar o Verbo divino, enfatizando sua preexistência, natureza e igualdade com o Pai, João descreve alguns de seus atributos e prerrogativas.

1. Criador: O Verbo é apresentado como o Deus Criador. “Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez”. (v.3). “Ele estava no mundo, e o mundo foi feito por Ele” (v. 10). “Por que nele foram criadas todas as coisas que há no céu e na terra” (Cl. 1:16). O Verbo divino não faz parte da criação; transcende-a, pois é o Criador de todas as coisas (Hb. 1:1,2,10). Quando a Bíblia afirma que Jesus é o Criador, atribui-lhe o mesmo título pelo qual o Pai é conhecido no Antigo Testamento (G. 1:1; Jó 33:4; Sl. 138:13-18).

“Ó, vinde, adoremos e prostremo-nos! Ajoelhemos diante do Senhor que nos criou”. Sl. 95:6. 

2. Vida: Jesus declarou que além de possuir a vida em si mesmo (Jo 5:26) era a ressurreição e a vida (Jo 11:25; 5:25). No Antigo Testamento, o Pai é identificado como a fonte e o manancial da vida (Gn. 2:7; Dt 30:20; Sl 36:9). Era um título que pertencia exclusiva e unicamente ao Criador de toda a vida (Sl. 133:3). Cristo, entretanto, atribuiu a si mesmo essa designação divina (Jo. 5:21, 26) e, como tal, foi reconhecido.

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”. Jo. 14:6. 

3. Luz: A Palavra de Deus ensina enfaticamente que Deus é Luz (1 Jo. 1:5; Sl. 27:1) e que habita na luz inacessível (1 Tm. 6:16). Esse título divino seria também uma designação do Messias (Is. 42:6,7; 9:2; Mt. 4:16). O termo “luz” aparece cerca de 20 vezes no evangelho de João e, na maioria das ocasiões, refere-se a Jesus como a luz do mundo (Jo. 8:12). No relato da criação, lemos que Deus, pelo poder de sua Palavra, fez surgir a luz, que desfez o caos (Gn. 1:2-3). O Senhor Jesus é a luz que alumia a todo o homem que vem ao mundo (v.9) e, por isso, desfez o caos da vida humana (2 Co. 4:6).

Em Jesus estão reunidos todos os atributos divinos que o descrevem como o único e suficiente Salvador da humanidade. Sua história e suas obras não se limitam ao período entre seu nascimento e sua morte (Hb. 13:8). O Filho de Deus esteve presente eternamente, atuando especialmente na História da Salvação. Ele veio como homem e sua glória foi vista pelos de sua geração; realizou a obra da redenção na cruz do Calvário; retornou ao Céu, de onde dirige a sua igreja; e voltará em glória para estabelecer a paz universal. 

Fonte: Revista Lições Bíblicas - CPAD 2008
Jesus Cristo, verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário