17 de jan de 2012

A comunhão que gera crescimento

"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus". Romanos 12:2.

Por Elaine Lisbôa

Na passagem de Romanos 12:2, o apóstolo Paulo registra a importância do cristão não se conformar com este mundo, mas se transformar pela renovação do entendimento, para assim poder desfrutar da vontade de Deus, que é boa, perfeita e agradável.

Ele continua o capítulo alertando aos crentes para não pensarem mais de si mesmos do que convém, porque Deus distribuiu diferentes dons para cada um dos seus, de maneira que juntos se completem em unidade e gerem forte crescimento ao corpo.

No entanto, o que vemos em nossas igrejas são grupos que, ou tentam fazer tudo sozinhos, dificultando ao irmão do lado exercer seu ministério, ou que não fazem nada para a propagação do Evangelho, sobrecarregando a tarefa dos demais.


Em outubro do ano passado ouvimos uma pregação sobre o assunto realizada pelo irmão Breno, na IEQ Parque das Nações, em Barueri. Ele classificou os crentes em três tipos:

1. Os inconformados;
2. Os conformados;
3. Os decepcionados.

Os inconformados
Típico novo convertido. Após ter um encontro com o Senhor, tem sede de aprender mais e trabalhar com garra pela obra, com uma paixão incrível pelo Evangelho.

Os conformados
Esses não acreditam mais em mudanças, por isso não agem mais. Ficam em uma permanente posição de espera, conformados com a maneira atual das coisas.

Os decepcionados
Grau mais elevado dos “conformados”. Por não verem as mudanças, chegam ao ponto de duvidar da graça de Deus e muitos abandonam a fé.

Tipos de atitudes como as dos conformados e decepcionados são o exemplo claro de pessoas que não renovaram o entendimento na Palavra, conforme orientado pelo apóstolo Paulo, por isso não puderam contemplar a obra perfeita do Senhor.

Com essas atitudes, a comunhão dentro de nossas igrejas tem sido ameaçada. Os conformados não querem mais trabalhar, fazendo com que os outros membros se sobrecarreguem com as tarefas. Os decepcionados já abandonaram o barco e alguns inconformados querem fazer tudo sozinhos, deixando os que desejam trabalhar sem serviço. Com esta confusão onde está a comunhão?

No versículo 3 Paulo fala que cada pessoa deve fazer algo específico para o Senhor, conforme os dons e talentos dados por Deus. Quando o crente não desempenha sua função, prejudica todo o corpo. Podemos observar mais orientações na carta aos Efésios, veja:

"E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo,para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente". Efésios 4:11-14.

O crente que está em comunhão sabe que o objetivo de tudo o que é desempenhado na obra é para se propagar o Evangelho. O Senhor capacitou a cada um para a edificação dos santos, até que se chegue à unidade.

Os dons e ministérios de cada um foram criados por Deus para que haja o fortalecimento do corpo e, desta forma, cada um supra a necessidade do outro.

Consequências da entrega de amor aos nossos irmãos:

1. Fortalecimento;
2. Crescimento individual e geral do corpo.

Quando o Senhor resgatou a cada um, já sabia aonde iriam atuar. Quando os membros se preocupam em desempenhar seus respectivos papéis, todo o corpo fica fortalecido, bem ajustado e cresce em tudo, e em Cristo!

Quando a Noiva começar a agir em favor do corpo, veremos a Perfeita vontade de Deus sendo concretizada e vislumbrada por nossos próprios olhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário