2 de mar de 2011

Dados do Livro de Gênesis

Apresentação de dados históricos sobre o primeiro livro da Bíblia, tendo como base informações extraídas da apostila de Panorama Bíblico do Instituto Teológico Quadrangular, Curso Fundamental, 1º ano, 2004, e de alguns sites cristãos.

Etimologia:
A palavra Gênesis, do grego “barah”, significa “origem, nascimento, criação”. O nome foi dado pela versão Septuaginta.

Período Histórico:
Cerca de 4000 a 1689 a.C., da criação até a morte de José, abrangendo um período de 2.315 anos.

Quantidade de Capítulos: 50

Autor:
Embora não contenha relatos internos de quem foi o autor, a autoria foi atribuída pela tradição judaico-cristã a Moisés, profeta e legislador hebraico, baseada em diversas passagens da Bíblia que o retratam escrevendo (Ex. 17:14 E 24:4/ Dt. 31:9 e 31:24-26/ Lv. 26:46) e a colocando ao lado da Arca da Aliança.

Talvez a história da criação tenha sido escrita por Abraão, Noé ou Enoque e usada por Moisés. Em cidades pré-históricas da Babilônia foram encontradas bibliotecas com milhares de livros por marcas ou sinais que eram usadas para registrar idéias ou combinações de palavras.

Arqueologia e História:

Jardim do Éden: O local bíblico engloba a região de origem dos rios Tigre e Eufrates (Gn 2.10-14) – atual Iraque. Várias escavações confirmaram a presença humana na região desde épocas remotas, com uma cultura escrita e desenvolvida, berço de várias civilizações.

Adão e Eva: Foi descoberto, no meio de antigas placas babilônicas que hoje se encontra no Museu Britânico, uma placa visualizando a história da queda: no centro, vê-se uma árvore; à direita, um homem; à esquerda, uma mulher tirando um fruto; atrás da mulher, como a cochichar-lhe, uma serpente ereta.

Sinete de Adão e Eva”, descoberto em 1932 pelo Dr. E.A.Speiser, do Museu da Universidade da Pensilvânia, a 19km ao norte de Nínive. A data fixada do sinete é de 3.500 A.C. Nus, um homem e uma mulher, andavam como sob profundo abatimento e de coração quebrantado, seguidos por uma serpente. O sinete mede cerca de 2,5 cm e é gravado em pedra. Acha-se no Museu da Universidade, em Filadélfia (EUA).

Monoteísmo Original: Os primeiros homens foram monoteístas (criam em um único Deus). Isto foi confirmado pelo Dr. Stephen Langdon, da Universidade de Oxford, que descobriu que as mais antigas inscrições babilônicas sugerem que a primeira religião do homem consistia na crença de um só Deus, e daí houve um desvio rápido para o politeísmo (crença em vários deuses) e a idolatria.

Sir Flinders Petrie afirmou que a religião original do Egito foi monoteísta e Sayce anunciou em 1898 que havia descoberto, em três placas separadas no Museu Britânico, do tempo de Hamurabi, as palavras “Javé é Deus”.

Antropólogos de primeira linha anunciaram, recentemente, que entre todas as raças primitivas havia uma crença generalizada em um Deus Supremo ( “The Origin and Growth of Religion – Facts and Theories”, do Dr. Schmidt.)

Apresentação de Jesus:
Nosso Deus criador, preexistente, palavra viva, envolvido na criação (Jo. 1:3). O ministério de Jesus foi antecipado em Gn 3:15, sugerindo que a semente da mulher que iria ferir a cabeça da serpente (Satanás).

A grande revelação de Cristo se encontra no estabelecimento do concerto de Deus com Abraão (cap. 15 e 17). Deus fez promessas gloriosas a Abraão, e Jesus é o maior cumprimento destas promessas, uma verdade que é explicada de forma detalhada por Paulo em Gálatas.

Boa parte da Bíblia está fundamentada sobre o concerto abraâmico e o seu desenvolvimento em Jesus Cristo. A dramática história da prontidão de Abraão em sacrificar a Isaque segundo a ordem de Deus apresenta uma incrível semelhança com o evento crucial do NT. “Toma agora teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas... E oferece-o em holocausto” (22.2), lembra-nos da prontidão de Deus em sacrificar o seu único Filho pelos pecados de todo o mundo.

O Espírito Santo:

“O Espírito de Deus se movia sobre a face das águas” (1.2). Desta forma achamos o Espírito envolvido na criação. O Espírito Santo também operou em José, um fato que foi óbvio pra o Faraó: “Acharíamos um varão como este, em quem haja o Espírito de Deus?” (41.38).

Embora o Espírito Santo não seja mencionado de outra forma em Gênesis, nós o vemos em ação ao atrair os animais dos quatro cantos da terra para dentro da arca de Noé. Nós também percebemos a sua operação através das vidas dos patriarcas: Ele protegeu os patriarcas e as suas famílias e os abençoou materialmente. Todo tipo de dificuldades e situações impossíveis cercaram a família escolhida, tentando frustrar, onde possível, o cumprimento das promessas de Deus a Abraão; porém o Espírito de Deus resolveu, de maneira sobrenatural cada um destes desafios.

Propósito:
Descreve a história religiosa, mostrando como Deus revelou o plano de salvação após o pecado do homem. Não é o propósito de Gênesis dar relato detalhado da criação, ele dedica somente um capítulo a esse tema, só um esboço contendo alguns fatos fundamentais, enquanto dedica 38 capítulos sobre a história do povo escolhido.

Conteúdo Geral:
O primeiro livro da Bíblia Sagrada relata o começo de tudo, menos de Deus. O interessante é que não conta o final das coisas. Ele registra a origem do nosso Universo, do gênero humano, do pecado, da redenção, da vida em família, da corrupção da sociedade, das nações, dos diferentes idiomas, da raça hebraica...

Gênesis inicia com a formação do sistema solar, os preparativos da terra para sua habitação, e a criação da vida sobre a terra. Todos os oito atos da criação foram executados em seis dias.
Os dez capítulos seguintes explicam as origens de muitas qualidades misteriosas da vida: a sexualidade humana, o matrimônio, o pecado, a doença, as dores do parto, a morte, a ira de Deus, a inimizade do ser humano contra o próprio ser humano e as dispersão das raças e línguas sobre toda a terra.

Iniciando no cap. 12, Gênesis relata o chamado de Abraão e a inauguração do concerto de Deus com ele, um concerto glorioso e eterno que foi renovado com Isaque e Jacó. Gênesis é impressionante pela forma característica da sua narrativa, realçada pelo relato inspirador de José e pela multiplicação do povo de Deus no Egito. Trata-se de uma lição na eleição divina, conforme encontrado por Paulo em Rm 9.

Gênesis antecipa o NT de muitas maneiras: o próprio Deus pessoal, a Trindade, a instituição do matrimônio, a seriedade do pecado, o julgamento divino e a justificação pela fé. A Árvore da Vida, perdida em Gênesis, é restaurada em Ap 22.

Gênesis conclui com a bênção de Jacó sobre Judá, de cuja tribo viria o Messias: “O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos” (49.10). Muitos séculos e muitas lutas seguir-se-ão antes que esta profecia encontre o seu cumprimento em Jesus.

Os começos:
1. O começo do mundo (Gn. 1:1-25)
2. O começo da raça humana (Gn. 1:26-2:25)
3. O começo do pecado no mundo (Gn. 3:1-7)
4. O começo da promessa de redenção (Gn. 3:15)
5. O começo da vida familiar (Gn. 4:1-15)
6. O começo da civilização humana (Gn. 4:16-9:29)
7. O começo das nações do mundo (Gn. 10 e 11)
8. O começo da raça hebraica (Gn. 12-50)


Conteúdos consultados:
- Apostila Panorama Bíblico - ITQ
- Vivos! (http://www.vivos.com.br/89.htm)
- Blog Arqueologia Bíblica (http://arqueologia-biblica.blogspot.com/2010/05/o-sinete-e-o-selo-de-adao-e-eva.html)
- EBD Online (http://www.ebdonline.com.br/genesis.htm)

Nenhum comentário:

Postar um comentário