19 de jul de 2011

Gênesis 3 | A Origem do Pecado Humano

PANORAMA BÍBLICO
Gênesis - O começo do pecado no mundo (Gn. 3)

No estudo anterior vimos com detalhe a criação do homem e da mulher, seres perfeitos, livres, compostos de corpo, alma e espírito, e como Deus entregou a terra para ser dominada, cultivada e guardada por eles, mas sob uma ordem: Não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, pois quando comessem certamente morreriam.

Obs.: Em Gênesis 2:17 se lê em português “certamente morrerás”, mas no hebraico o que está escrito é “morrendo morrerás”.

Deus estava estabelecendo uma ordem de comando para o relacionamento dEle com o homem, mas para que isso se perpetuasse era necessário que o homem manifestasse livremente sua vontade.

Satanás, então, usa uma serpente e se aproxima da mulher para questionar a ordem que Deus tinha dado. Nesse momento, a mulher já começa a inverter as coisas, pois ao invés de dominar sobre o animal, o ouviu. E logo em seguida podemos observar que a resposta dela não foi exatamente igual às palavras de Deus. Compare:

Ordem de Deus:
“E o Senhor lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.

Reprodução da Mulher:
“Respondeu-lhe a mulher: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais”.

A serpente neste momento pôde perceber que a mulher titubeou na palavra, não sendo literal. Talvez pensemos que a mudança havia sido pequena, mas é importante lembrarmos que diversas vezes na Bíblia, quando Deus fala algo a um profeta, ele repete palavra por palavra do que ouviu. A palavra de Deus é para ser praticada literalmente.

Satanás então começa sua obra mentirosa, contrariando as palavras de Deus, dizendo que ela não morreria por comer do fruto. Note que o discurso dele começou colocando dúvidas (“É assim que Deus disse?”) e depois afirmando (“Certamente não morrereis”), esta é a tática do diabo, ele vem de mansinho e depois se inflama.

Ele então apela para a alma da mulher, insinuando que Deus estava retendo coisas dela. A partir desse momento o corpo e a alma da mulher são aflorados. Ela olha para a árvore e vê que é agradável aos olhos (agradou o corpo) e desejável para dar entendimento (para alimentar a alma, o ego), e a come, dando também ao marido.

A mulher não comeu do fruto pensando que ia morrer, ela descreu da Palavra de Deus e preferiu acreditar em Satanás.

Origem do Pecado

Quando o homem aceitou a palavra de Satanás, desacreditando na Palavra de Deus, o pecado entrou na raça humana, e onde há pecado, a vida de Deus não pode permanecer.

Naquele momento o homem morreu. Ele não caiu morto fisicamente, mas a vida de Deus foi retirada de seu espírito. O homem foi cortado da fonte de vida, que é somente Deus, morrendo espiritualmente e, consequentemente, fisicamente.

Pense em uma linda flor, plantada na terra, linda, viva. Quando, porém, a cortamos, sua beleza permanece, mas sabemos que está morta, pois não está mais ligada a fonte de sua vida e, em pouco tempo, murcha e desfalece. Da mesma maneira aconteceu com o homem. Seu espírito foi cortado da fonte verdadeira de vida. Seu corpo agora começa o processo de morte, deteriorando, desfalecendo...

Nesse instante entrou a morte física na raça humana. Deus não o havia criado para morrer, mas o homem decidiu livremente seguir esse caminho. Ao pecar, acolheu dentro de si a semente da morte, a semente do pecado. O resultado do pecado é a morte.

“Porque o salário do pecado é a morte”. Romanos 6:23a

“Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça depois de haver concebido, dá a luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte”. Tiago 1:14-15.

Lembre-se que morte não é extinção, é separação. O pecado gera a separação do homem para com Deus.

Aquele casal pecou e imediatamente viu que estava nu, percebendo isto, fez aventais, cintas, de folhas de figueiras, para se cobrirem diante de Deus. Com a noção de nudez, teve medo e se escondeu. Podemos observar aqui um fruto do pecado: o medo.

“Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele (...). No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor”. 1 João 4:16b, 18.

Deus, mesmo sendo onipresente, pergunta onde estava o homem. Essa pergunta ressoa ao longo de toda a história da humanidade. Deus constantemente busca pelo homem para que ele se salve.

Satanás provavelmente pensou que havia acabado com a raça humana, pois quando pecou foi destinado ao lago de fogo, não havendo graça para ele e seus anjos.

“Pois ele, evidentemente, não socorre anjos, mas socorre a descendência de Abraão”. Hebreus 2:16.

Mas Deus estava procurando o homem, a Sua graça estava movendo-se a favor do homem, mesmo que ele não merecesse, por isso é graça, é de graça. Ele desejou-o de tal forma que já havia criado um plano de redenção.

Com a vergonha do pecado, Adão resolve passar a culpa adiante. Segundo ele, o culpado, no final das contas, é Deus, que foi quem lhe deu a mulher. E da mesma forma a mulher age apontando para a serpente.

“Então disse o homem: A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi”. Gênesis 3:12.

“Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi”. Gênesis 3:13b.

Julgamentos de Deus

Julgamento da serpente

Deus então começa a tecer o Seu julgamento. A serpente (animal) levou uma repreensão e a partir daquele momento, todos os animais da sua espécie são condenados a rastejar sobre o seu ventre e a comer pó todos os dias de sua vida. Este era um sinal de castigo e humilhação.

Da mesma maneira o Senhor nos mostra qual será o fim/julgamento de Satanás. No hebraico o versículo 15 está escrito da seguinte maneira:

“Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua semente e a semente da mulher. Ele te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”.

A semente de Satanás refere-se a seus seguidores. Jesus mesmo chamou os fariseus de “raça de víboras” (“... disse-lhes: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?”). Ora, a mulher não tem semente. A Bíblia é tão perfeita que nos indica que uma semente seria plantada na mulher. No hebraico a palavra semente é feminino, mas o pronome que vem em seguida é Ele, por isso, nós cristãos acreditamos que o Senhor nesta passagem está indicando que de uma mulher viria Aquele que pisaria a cabeça do diabo, e seria ferido ao fazer isto (no calcanhar é onde a serpente pica), mas que Satanás seria morto (a cobra só pode ser morta pela cabeça).

“E o Deus de paz, em breve, esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás”. Romanos 16:20.

“Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus, e se pôs em pé sobre a areia do mar”. Apocalipse 12:17.

Julgamento da mulher

Agora viria o castigo da mulher, ela que havia tomado uma posição que nunca lhe fora dada, atuando absolutamente fora da autoridade do marido. Deus havia estabelecido uma ordem hierárquica funcional para a família e, em Sua soberania, colocou a chefia com o homem. A mulher foi criada para estar ao lado do homem como auxiliadora idônea, não à frente e nem à baixo. Quando Eva começou a decidir sozinha, inverteu aquela ordem.

A desobediência da mulher trouxe conseqüências apenas para as mulheres: em meio a dores dar à luz filhos, sujeição ao homem e necessidade de um governo. Deus fala através do marido na família.

“As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo”. Efésios 5:22.

Satanás até hoje trabalha para inverter a ordem dada por Deus para funcionamento da família, fazendo com que as mulheres queiram a posição de seus maridos no comando do lar.

Julgamento do homem

A desobediência do homem trouxe maldição a toda a terra.

“E a Adão disse: Visto que atendeste a voz da tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa”. Gênesis 3:17.

As conseqüências de seu pecado foram: trabalho cansativo, cansaço da vida, enfado e morte física. Diferente de Eva, que trouxe maldição somente sobre as mulheres, o pecado de Adão amaldiçoou toda a terra.  

“Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo seu pecado, a morte, assim também a morte passou para a todos os homens, porque todos pecaram”. Romanos 5:12.

Com o pecado a consciência do homem para as coisas espirituais ficou cauterizada, fraca, corrompida. A atitude básica do pecado é não reconhecer a necessidade de Deus, é fazer Deus desnecessário em sua vida.

O pecado fez separação entre Deus e o homem, porque Ele não pode, por causa da Sua santidade, descer ao nível do homem, que está no pecado, e conviver com ele. Deus é completamente Santo e, se descesse ao nível do homem com pecado, o homem não resistiria e seria destruído.

“Então, ele [Moisés] disse: Rogo-te que me mostres a tua glória (...) E [Deus] acrescentou: Não me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá”. Êxodo 33:18 e 20.

Plano de Deus para aproximação com o homem

Com a separação causada pelo pecado, Deus com Seu infinito amor, determina uma maneira para a aproximação: o sacrifício de animais. A morte era necessária, porque as Escrituras nos ensinam que o salário, ou seja, o pagamento do pecado é a morte (Romanos 6:23). Somente com a morte é possível a justificação. O ato de sacrifício de um animal inocente significaria um ato de fé do homem para com Deus.

Essa, na verdade, seria uma maneira provisória, pois o plano de Deus sempre foi enviar um Salvador, um Messias (Jesus Cristo), para assumir a posição do animal sacrificado e pagar de uma vez por todas a dívida do homem, indício dado à Eva como vimos anteriormente.

Esta provisão não fica clara logo no início do livro de Gênesis, mas retornaremos a esse assunto no decorrer da Bíblia. Por hora, repare o versículo 21 do capítulo 3:

“Fez o Senhor Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu”. Gênesis 3:22.

O homem já havia inutilmente feito vestes com folhas de figueira para esconder sua nudez diante do Senhor. Aquelas folhas não foram capazes de esconder a vergonha do homem e nem o seu pecado. Deus então os veste. Note o carinho e a intimidade do Senhor mesmo depois de tudo o que havia acontecido. Ele, então cobre o homem com “vestimenta de pele”...

Para que essa roupa fosse usada, foi necessário o sacrifício/ morte de um animal, ou seja, o pagamento pelo pecado. Aquela solução divina cobriu a vergonha e o pecado do homem diante do Criador.

O que Adão e Eva aprenderam é que para estarem vestidos diante de Deus alguém precisou morrer, alguém que nada tinha a ver com o pecado deles. Esse primeiro sacrifício também já nos aponta Jesus, o Cordeiro que tira o pecado do mundo.

“porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes”. Gálatas 3:27.

Eles foram vestidos, porque aceitaram e se colocaram na posição de serem vestidos. Isso ocorreu quando reconheceram sua nudez e confessaram ter comido e desobedecido a Deus.

E é assim que Deus age conosco quando nos colocamos na posição e deixamos que Ele nos vista. Nossas obras não valem nada para estarmos cobertos diante de Deus, apenas o sacrifício de Jesus é capaz de esconder nossa nudez e justificar nosso pecado. Ninguém pode estar na presença de Deus estando nu, tem de estar vestido com o padrão dEle.

“Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e nossas iniqüidades, como um vento, nos arrebatam”. Isaías 64:6.

Deus olha para o homem e não vê roupa, apenas trapos de imundícia. Deus usa muito a figura de roupa e nudez na Bíblia para falar de salvação.

O homem fora do Jardim do Éden

Logo após, Deus fecha, veda, ao homem o caminho da árvore da vida, para que ele não comesse do fruto e vivesse eternamente em pecado.

“Então, disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal; assim, que não estenda a mão e tome também da árvore da vida , e coma, e viva eternamente. O Senhor Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden, a fim de lavrar a terra de que fora tomado. E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida". Gênesis 3: 22-24.

O Senhor, por isso, lança fora o homem do jardim do Éden e coloca querubins ao oriente do jardim e o refulgir de uma espada que se revolve para guardar o caminho da árvore da vida.

Este estudo foi feito com base na apostila “Gênesis” do ITQ de Perus e no Panorama Bíblico elaborado pela irmã Márcia Veiga, disponibilizado no site www.escrituras-e-poder.com

Um comentário: