30 de mar de 2011

Gênesis 1:1-2 | A Criação – Origem do Pecado

PANORAMA BÍBLICO
Gênesis - O começo do mundo (Gn. 1:1-25)

A Bíblia começa o livro de Gênesis relatando que “No princípio, criou Deus os céus e a terra. Esse termo no hebraico é “ab-reshit bara elohim”, a palavra “bara” foi traduzida como “criou”, mas seu significado literal é “criar do nada”, ação que somente Deus pode realmente fazer, pois o homem aperfeiçoa algo já criado ou utiliza coisas criadas para formar outras.

Para essa primeira frase não há teorias, ela incita a crer ou não crer em um Deus poderoso que criou todas as coisas. Isto está em conformidade com a passagem de Hebreus 11:3:

“Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem”.

Da mesma maneira como está em Salmos 33:9:

“Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo passou a existir”.

Dando continuidade, Gênesis 1:2 apresenta um relato estranho, declarando que a Terra era sem forma, vazia e nela havia trevas, mas que o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas. Como então poderia um Deus de luz, onde não há trevas alguma (1 Jo. 1:5) criar um lugar assim? Esse trecho fica ainda mais confuso quando confrontamos com a passagem de Isaías 45:18:

“Porque assim diz o Senhor, que criou os céus, o Deus que formou a terra, que a fez e a estabeleceu; que não criou para ser um caos, mas para ser habitada: Eu sou o Senhor, e não há outro”.

A única explicação na Bíblia que combina com esse caos está no que chamamos de “a origem do pecado”. O texto original desse trecho permite a tradução da palavra “era” por “ficou” ou “tornou-se”, dando-nos o sentido de que ela não era, mas tornou-se sem forma e vazia, algo a havia transformado.

A origem do pecado | Criação, Queda e Destruição de Satanás

O pecado teve origem nos céus, quando no coração de um anjo surgiu o desejo de usurpar o lugar de Deus. As Escrituras não incluem um registro específico do evento, mas ele é lembrado duas vezes nos escritos dos profetas Isaías e Ezequiel.

Aqui temos algumas dificuldades exegéticas. Em ambas as passagens, a menção da rebelião do anjo Lúcifer aparece abruptamente num contexto que não trata, especificamente, de Satanás. Esse fato levou muitos estudiosos da Bíblia a rejeitar a ideia de que as passagens se referem a uma rebelião luciferiana e a insistir que elas focalizam exclusivamente os governantes humanos das nações pagãs às quais são dirigidas.

A questão é que essas passagens incluem descrições que, mesmo levando em conta a inclinação ao exagero por parte de governantes da Antiguidade, não poderiam ser atribuídas a qualquer ser humano.

Nota: O nome “Lúcifer” não é bíblico, ele veio da tradução latina da Bíblia, a Vulgata, referente à passagem de Isaías 14:12: “Estrela da manhã, filha da alva”. Quer dizer “portador da luz”. Didaticamente, o inimigo é chamado antes de sua queda de “Satanás”.

Observemos primeiramente a passagem de Isaías 14:12-14:

“Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo”.

O emprego da primeira pessoa do singular (“Eu subirei...”; “exaltarei o meu trono...”; “me assentarei...”) reflete um nível de ostentação indicativo de insanidade, caso fosse proferido por um mero ser humano, mesmo em se tratando de um dos monarcas pagãos babilônicos, que a si mesmos divinizavam.

Esta, como muitas outras passagens da Bíblia, possui o que chamamos de profecia de dupla referência, nome dado ao reconhecimento de que o cumprimento de determinada passagem das Escrituras pode não ter esgotado seu significado, mas que pode haver um cumprimento maior e posterior ao da passagem. Tendo isto em mente, voltemos a analise do texto de Isaías.

A passagem nos indica o desejo de Lúcifer de tomar o lugar do Senhor. A região Norte descrita é um referencial com a Terra, indica a direção do terceiro céu, lugar de habitação de Deus, e nuvens fala de Sua glória.

“Ele estende o norte sobre o vazio e faz pairar a terra sobre o nada”. Jó 26:7.

“Olhei, e eis que um vento impetuoso vinha do Norte, e uma grande nuvem, com fogo a revolver-se, e resplendor ao redor dela, e no meio disto, uma coisa como metal brilhante, que saía do meio do fogo”. Ezequiel 1:4.

O desejo de Satanás era invadir o céu, dominar sobre os anjos, a Terra e tudo o que nela há, subir acima da glória de Deus e ser semelhante ao Senhor.

Observemos agora a passagem de Ezequiel 28:11-19:

“Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Filho do homem, levanta uma lamentação sobre o rei de Tiro, e dize-lhe: Assim diz o Senhor DEUS: Tu eras o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônica, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados.

Tu eras o querubim da guarda ungido, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas.

Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti. Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem. Todos os que te conhecem entre os povos estão espantados de ti; em grande espanto te tornaste, e nunca mais subsistirá”.

Ezequiel inicia o capítulo 28 falando da parte do Senhor com o príncipe de Tiro, e a partir do versículo 11 ao rei de Tiro, que nesta ocasião era Ittobaal II, homem arrogante, soberbo, orgulhoso.

A aplicação da profecia de dupla referência neste texto aparece quando Ezequiel começa a designar termos ao rei que jamais se aplicam a um homem: “tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura”, falando claramente que se tratava da força que dominava o rei. Isso fica explícito no versículo 14, quando diz: “Tu eras querubim da guarda ungido...”.


Características dos Querubins

Na Bíblia, toda vez que vemos a descrição do trono de Deus os querubins são destacados, eles são anjos que ficam na sala do trono para cobrir e guardar a glória que está sobre o trono, prestando louvor e adoração a Deus. Veja algumas descrições dos querubins e do trono de Deus em Ezequiel 1:3-28; 10:14-15 e 20, e em Apocalipse 4.

Esse tipo de anjo possui ornamentos, instrumentos musicais; são seres angelicais na área da adoração. Mas Satanás era um querubim especial, ele comandava o louvor e a adoração diante do trono de Deus, possuía uma posição destacada, de chefia.

Para se ter uma noção de quão grande era, Ezequiel aponta que ele era “ungido”, a tradução em grego dessa palavra é “Messias”, do termo hebraico “mashiach”, e significa “separado”, “especial”.

No Velho Testamento, somente os profetas, reis e sacerdotes eram ungidos. Eles eram separados por Deus e ungidos para um ministério em especial. Os reis na área do governo; os sacerdotes na intercessão pelo povo e os profetas para serem bocas de Deus na Terra, diante dos homens. Hoje a igreja de Cristo é ungida, pois ela é a representação do sacerdote:

“[Jesus]... E nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém”. Apocalipse 1:6.

Quando o pecado entrou no coração de Lúcifer, ele separou-se de Deus e tornou-se Satanás (o adversário), mas a Bíblia diz que ele não foi sozinho, 1/3 dos anjos do céu o seguiram.

“A sua cauda arrastava a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a Terra”. Apocalipse 12:4.

Os anjos são seres pessoais, com personalidade e raciocínio. Quando Ezequiel 28:16 diz “Na multiplicação do seu comércio” implica na decisão desses anjos acompanhá-lo, tê-lo como chefe.

A indignação de Deus paira sobre o pecado.

“A ira de Deus se revela do céu contra toda a impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça”. Rm. 1:18.

Diante do que Satanás havia se tornado, Deus então o expulsa do céu juntamente com anjos que o seguiam e, como que em uma bola de fogo, os lança na Terra. O Senhor Jesus menciona esse episódio na passagem de Lucas 10:18:

“Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago”.

O planeta torna-se dessa maneira sem forma, vazio e em trevas, como pudemos observar no segundo versículo de Gênesis 1.

Salmos 18:7-13 descreve uma cena onde nos esclarece o que aconteceu:

“Então a terra se abalou e tremeu, vacilaram também os fundamentos dos montes e se estremeceram, porque ele se indignou. Das suas narinas subiu fumaça, e fogo devorador, da sua boca; dele saíram brasas ardentes. Baixou ele os céus e desceu e teve sob os pés densa escuridão. Cavalgava um querubim e voou; sim, levado velozmente nas asas do vento. Das trevas fez um manto em que se ocultou; escuridade de águas e espessas nuvens dos céus eram o seu pavilhão. Do resplendor que diante dele havia, as densas nuvens se desfizeram em granizo e brasas chamejantes. Trovejou, então, o Senhor nos céus; o Altíssimo levantou a voz, e houve granizo e brasas de fogo”.


Princípios de Deus

A maioria das pessoas questiona o motivo de Deus permitir a situação de Satanás, mas, para se entender isso, é necessário prestar muita atenção nos princípios de Deus, para andamos neles e entendermos melhor a Bíblia. Andar no temor do Senhor é andar nos princípios de Deus:

“O temor do Senhor consiste em aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu os aborreço”. Provérbios 8:13.

“Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contenda entre irmãos”. Provérbios 6:16-19.

“O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência”. Provérbios 9:10.

“O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; revelam prudência todos os que o praticam. O seu louvor permanece para sempre”. Salmos 111:10.

Precisamos entender certos pontos:

Deus criou seres livres - Não teria sentindo criar seres e obrigá-los a adorá-lo. Todas as criaturas de Deus, anjos e homens, têm de passar por um teste que mostrará claramente sua decisão em favor ou não de conviver com Ele. Terão de exercer seu livre arbítrio para determinar a escolha de continuar no relacionamento com o Criador.

O pecado faz separação entre Deus e suas criaturas – Deus não pode estar aonde existe pecado. Esse princípio vai de capa a capa na Bíblia, assim como os demais princípios.

“Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para que não possa ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça”. Isaías 59:1-2.

Deus não originou o mal - O mal se originou no interior daquele querubim, brotando a soberba e a inveja. Quando isto aconteceu, ele separou-se imediatamente de Deus, junto com uma parte dos anjos. Quando alguém se afasta do Criador, que é a única fonte de vida, luz, verdade, justiça e amor, automaticamente está em tudo o que se opõe a Ele: nas trevas, mentira, injustiça e maldade.

O pecado traz grandes conseqüências – Satanás separou-se de Deus, mas não deixou de possuir todos os atributos com que foi criado, ele continua sendo um ser pessoal, assim como o homem não deixou de ser homem após ter pecado. O diabo e seus anjos caídos formam um exército muito bem organizado com príncipes, dominadores, demônios. É como uma casta, uma graduação.

“Porque a nossa luta não é contra carne ou sangue, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Efésios 6:12.


Deus julga pelas obras – O Senhor não brecou tudo no começo, Ele julga suas criaturas pelas obras, pelo que elas apresentam de concreto. Apesar delas não salvarem ninguém, pois a salvação vem pela fé em Jesus Cristo, elas demonstram concretamente a quem servimos. Se a vida da pessoa não condizer com a Palavra, sua fé é falsa.

“Ora, se invocais como Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo as obras de cada um, portai-vos com temor durante o tempo da vossa peregrinação”. 1 Pedro 1:17.

“Porque a nossa luta não é contra carne ou sangue, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Efésios 6:12.

“Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira para o dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus, que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento”. Romanos 2:5-6

“Assim também a fé, se não tiver obras, por si só está morta”. Tiago 2:17.

O julgamento de Deus para os que se perderam: Julgamento do Trono Branco

“Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram os livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros”. Apocalipse 20:12.

O julgamento de Deus para os salvos: Recebimento dos galardões

“Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão”. 1 Coríntios 3:14.

Salvação X Julgamento:

“Quem nele [Jesus] crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito de Deus”. João 3:18.

Deus está permitindo que Satanás coloque tudo em concreto acerca do que brotou em seu coração, para poder julgá-lo e bani-lo para sempre. Deus nunca preparou o inferno para os homens, porém aquele que em vida não aceitou a provisão de Deus ficará do lado do Diabo e, após o julgamento final, irá para o lago de fogo.

“Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”. Mateus 25:41.

“E se alguém não se achar inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo”. Apocalipse 20:15.

Satanás e seus anjos sabem que estão perdidos. Para os anjos não houve plano de salvação, pois eles conheciam a Deus diretamente e viviam em Sua presença. Deus é amor, mas também é justiça, caso contrário, não poderia julgar.

Características importantes de Satanás

Satanás é um ser criado, portanto, não cria nada, apenas imita tudo o que Deus fez. Ele é o oposto do Senhor. Odeia o homem, pois foi feita à imagem e semelhança de Deus, tudo o que ele queria ser. Em cada época da história Deus apresenta seu plano de salvação e Satanás apresenta outro, “semelhante”, para desviar o homem do caminho eterno.

Ele é mencionado na Bíblia cerca de 170 vezes com vários nomes: Satanás, Diabo, Belzebu, Beliel, o Adversário, Maligno, Ladrão, Serpente, Príncipe das potestades do ar, Cabeça do exército que atua nas regiões celestes, deus deste século... É adorado de várias maneiras e através de várias coisas, e o mundo inteiro jaz nele.

“Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno”. 1 João 5:19.

Não é onisciente nem onipresente (atributos somente de Deus), portanto não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo, mas é muito bem informado por seus anjos caídos.
Um de seus objetivos é implantar um governo mundial sobre a Terra e preparar o anticristo para reinar, esse homem estará totalmente energizado por Satanás. Hoje já vemos a união dos países em blocos, globalizado. Aos poucos tudo está sendo levado a um padrão comum.

O que impede esse domínio é o Espírito Santo através da igreja do Senhor Jesus, a noiva do Cordeiro, porém quando Jesus voltar e arrebatar Sua noiva, o campo estará livre, o anticristo aparecerá e dominará o mundo inteiro.

Autoridade da Igreja contra Satanás

A igreja tem autoridade dada por Jesus para viver em vitória contra Satanás e contra suas hostes celestiais:

“Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas”. Lucas 9:1-2.

“Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome expelirão demônios, falarão novas línguas, pegarão em serpentes, e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre os enfermos, eles ficarão curados”. Marcos 16:17-18.

Além da autoridade e poder concedida à igreja, Deus designou seus anjos para trabalharem em seu favor.

“Ora, a qual dos anjos jamais disse: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés? Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação? Hebreus 1:13-14.

Um comentário:

  1. A Paz do Senhor!
    Parabéns pela iniciativa!
    A explanação da Palavra traz sabedoria aos símplices! É muito importante que pessoas compromissadas com os valores do Reino estejam realizando este trabalho.
    Continuarei acompanhando e aprendendo com os estudos dos livros da Bíblia e com os conteúdos deste blog!

    Abraços!

    ResponderExcluir